sexta-feira, 26 de outubro de 2018

OS SMURFS, PT, LULA E O BARRETE FRÍGIO

Barrete Frígio, Barrete Phrygio ou Barrete da Liberdade, é uma touca ou carapuça originariamente usada pelos moradores da Frígia, região onde se situa a Turquia, adotada na cor vermelha, pelos republicanos franceses que lutaram pela tomada da Bastilha em 1789, que culminou com a instalação da primeira república francesa em 1793. Por essa razão, tornou-se um forte símbolo do regime republicano. Também vemos barretes frígios sobre a cabeça dos Smurfs, uma franquia de mídia criada pelo ilustrador belga Pierre Culliford. Nesse desenho animado famoso nos anos 80 e 90, que ganhou sua versão live action duas vezes, vemos uma comunidade onde todos os seres são azuis e se vestem igual, roupas e barrete branco, exceto o Papai Smurf que usa barba e um barrete vermelho, simbolizando a liderança conquistada pela sabedoria. Karl Marx, principal teórico socialista, afirmava que o maior problema do capitalismo é a propriedade privada.
Na comunidade dOs Smurfs tudo é de todos. A comunidade trabalha unida para suprir as necessidades de cada um como moradia e alimentação. Apesar dos talentos individuais como o Habilidoso e o Gênio, não há preconceitos ou distinções sociais entre eles. Assim como não existe capitalismo, também não existe o culto a uma divindade como no socialismo. Celebram o natal mas não fazem alusão ao significado da data em nenhum episódio. Gargamel, a metáfora do capitalismo, quer usar os Smurfs numa porção para criar ouro, significando a ambição pessoal se sobrepondo ao respeito ao próximo. Da mesma forma que Marx afirmava que a opressão feminina era resultado do capitalismo, Gargamel cria a Smurfette, morena e maldosa, com o intuito de semear a discórdia entre os Smurfs, posteriormente transformada, num passe de mágica do Papai Smurf, numa loirinha gentil. Embora os criadores neguem a relação Smurfs-Marx, não deixa de ser uma divertida analogia. Quanto ao Papai Smurf assemelhar-se com qualquer pessoa, livre ou não, deixo por conta da sua imaginação.
Uma terceira alusão ao Barrete Frígio, vem de um Ilustre cearense, Julio Cesar da Fonseca Filho (10 de outubro de 1850 - 18 de abril de 1931), natural de Aracati-CE, abolicionista republicano, autor do jornal homônimo cuja única edição, publicada em papel vermelho, foi motivo de ter que se esconder da polícia. É autor de versos como o Hino revolucionário: "Quebre-se o cetro do rei!; Rasgue-se o manto real!" e Gritos de Desespero:"Convertam-se os régios mantos em andrajos de  pobreza, sirvam as tábuas do trono pra esquife da realeza.".
Fiz essas referências para ilustrar a relevância e a profundeza dos ideais do PT na história do Brasil, a importância do Lula para a política brasileira e como é triste vê-lo enredado em corrupção e lavagem de dinheiro e como é lamentável assistir o partido naufragar, vítima de si mesmo.
De sua ideologia político-partidária, criada no final dos anos 70 a partir de movimentos sindicais e caracterizada pela espontaneidade, pela crítica à ditadura, ao capitalismo e até a certos aspectos do socialismo, até a sua atual situação: presidente de honra preso, primeira ex-presidente rejeitada nas urnas e iminente derrota nas eleições presidenciais para um candidato e um partido política e intelectualmente inexpressivo, mas que soube ouvir a voz do povo, como disse o controverso rapper Mano Brown, o que sobra, além da vergonha alheia, é a oportunidade de reinventar-se, de voltar às bases (olha o rapper de novo) e resgatar suas origens, reconhecer seus erros e reconquistar a confiança do povo. Caso contrário, deixará claro para todos nós brasileiros que sempre foi um projeto de poder, nunca houve uma estrela vermelha, só um barrete vermelho desbotado, obsoleto e sujo.

Fontes:
https://super.abril.com.br/mundo-estranho/os-smurfs-pregavam-o-comunismo/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Barrete_fr%C3%ADgio

Sobre o artigo "No momento atual, anti-petismo é infantilidade política. Ou esperteza."

Jornalista Milton Saldanha, se meu comentário lhe parecer desrespeitoso ou lhe afrontar de alguma maneira, peço-lhe antecipadas desculpas. Fui ensinado a respeitar os mais velhos independente de concordar com suas ideias ou opiniões políticas.
Nesse artigo publicado dia 19 deste mês, no site racismoambiental.net.br, o senhor diz, em linhas gerais, que sempre criticou o PT, que o Lula não é santo mas os demais também não são, e que nesse ajuntamento de pecadores, o PT foi o único que fez algo de bom por nós. Dado o respeito que lhe devo, e sendo coerente com o título do seu artigo, isso só pode ser infantilidade política.
Quanto ao Bolsonaro, o senhor sugere duas coisas que a meu ver são ingenuidade pura. Que as empresas da família dele no Vale do Ribeira foram fomentadas irregularmente com recursos públicos, o que não carece de provas já que o senhor efetivamente não diz isso. Quem o faz é uma matéria da editora globo (em proposital minúscula), matéria esta que recebeu nota de repúdio da Câmara Municipal de Eldorado uma semana após a publicação a qual o senhor faz referência.
Quanto a globo, realmente não podemos chamá-la de comunista, politicamente se parece com a Raven ou Mística, personagem fictícia de histórias em quadrinhos da editora estadunidense Marvel Comics, cujas habilidades autoexplicam a conduta da globo, o que nos leva a sua segunda ingenuidade, fazer referência a uma matéria que chafurda no passado de um homem comum. Não um desses expoentes morais como Mandela ou Gandhi, cujas vidas ilibadas e moral inabalável nos coram de vergonha, mas de um brasileiro qualquer, sugerindo que seus erros, tão deploráveis quanto comuns, sejam o atestado de inidoneidade que precisamos para rejeitá-lo.
Antes da fundação do PT, a fugitiva coroa portuguesa, que se autodegredou em sua rica colônia, por ocasião da invasão francesa a Portugal, já distribuía títulos de nobreza em troca de dinheiro e como o senhor mesmo colocou, Cabral (o navegador, não o ex-governador-réu fluminense), já subornava índios com espelhinhos. Desse ponto e diante do seu texto, concordamos em tudo, inclusive que o “coiso”, carinhosa alcunha atribuída ao opositor pelos politizados e pacíficos petistas, precisaria melhorar muito pra ser chamado de péssimo candidato.
Portanto humildemente sugiro-lhe a seguinte reflexão: O opositor do PT é o PT. O Lula parece ter encarnado Rodion Raskólnilkov do famoso romance Crime e Castigo de Dostoiévski, um homem extremamente pobre que vive angustiado pela sombra de fazer algo importante.
Justificando matar a velha agiota - a democracia brasileira - em nome de um bem maior, um plano de poder com forte apelo social que esgotou as economias da Alena Ivánovna, a tal viúva, ato que acabou levando-o à prisão na Sibéria (ainda bem que Curitiba não é tão frio). Suponho inclusive, que essa negativa constante em reconhecer seus erros, tal qual o personagem, não passa por dilemas de consciência já que, segundo discute o autor e acredita o Lula, os fins justificam os meios. Finalmente, esse flagelo terrível e sem precedentes com que sonham o Lula, seus seguidores extremistas e o protagonista do livro, descreveram muito bem o século XIX mas não descrevem mais o século XXI, talvez o anagrama de algarismos romanos tenha confundido o ex-presidente.
Sendo assim quero assegurar-lhe que o Jair Bolsonaro não é o verdadeiro adversário, poderia ser substituído por um cone, uma vassoura ou um poste, não faria a menor diferença. Parafraseando Hobbes, O PT é o lobo do PT, a essa altura das eleições, nem um mea-culpa resolve, não dá mais tempo. O que podem fazer agora é encarar tudo com dignidade e, em se confirmando a derrota, reorganizar-se, modernizar-se e reaver a confiança perdida em 13 anos de crime e castigo.

DO OUTRO LADO DA TRINCHEIRA?

Depois de assistir o depoimento do ator Wagner Moura sobre a conjuntura política atual, resolvi escrever algo parecido só que "do outro lado da trincheira" (sic.).
Este texto é pra você, que discorda de mim, que não concorda com nada do que eu escrevo. Tenho certeza de que o que nos une é muito maior do que o que nos separa. Eu sei que você, que discorda de mim, não é guerrilheiro, não quer criar o caos institucional nem instituir "controle social" na imprensa e nos meios de comunicação digital e muito menos na justiça, não quer a corrupção desenfreada, a soltura de presos condenados. Eu sei que você não idolatra ninguém, que apenas admira alguém que você julga ser um estadista injustiçado, enfim, você que discorda de mim, é um democrata. Você preza pela democracia, esses valores que você tem dentro de si se traduzem em democracia, aliado à liberdade de expressão que permite que você discorde de mim e eu discorde de você. E é a liberdade de expressão que está ameaçada, porque existe um plano de governo onde lê-se claramente sobre a criação de controles sociais para os 3 poderes e para todos os meios de comunicação, que tanto pode ser apenas um meio das minorias ou pessoas em situação de vulnerabilidade dizerem o que querem ou o que não querem ler, ouvir ou assistir, quanto pode ser um órgão de censura, uma estratégia para calar as pessoas, bloquear softwares de comunicação que hoje não podem ser controlados, como o pedido do PSol para censurar o whatsapp, ou da professora Gilmara que foi detida por injúria racial após chamar um eleitor do candidato da oposição de "preto e pobre" ou dos humoristas que receberam cartas de censura. Mas eu sei que vocês não concordam com esse tipo de atitude. E esse é um apelo a esses seus valores, que você os coloque acima de qualquer coisa, eu sou refratário a qualquer tipo de subterfúgio para ludibriar o eleitor e este é o momento das pessoas se posicionarem Se há um momento na história do Brasil que eu vivi em que as pessoas precisam se posicionar, o momento é esse. Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o senhor precisa dar uma declaração a favor da democracia. Cid Gomes, o senhor é um democrata, uma figura enorme no país, nós precisamos de vocês nessa reta final da campanha. Esse segundo turno não é mais uma uma disputa política, não é mais esquerda contra direita. Agora é o resgate de valores, da honestidade e retidão de caráter contra a corrupção, a formação de quadrilha e subversão da lei e da ordem. E mesmo que alguém venha me ofender, dizer bobagens ou tentar me sensibilizar com vídeos com dizeres elaborados, sem qualquer espontaneidade, prefiro ter a consciência tranquila de estar "na trincheira do lado certo" (grifo nosso) num momento como esse. A todos, um grande abraço.

quarta-feira, 14 de março de 2018

ANDANDO NO CORREDOR

Definitivamente, andar no corredor é uma arte. Aquele espaço nem sempre certinho, quase sempre sinuoso, já que quase nenhum carro fica direitinho, alinhado atrás do carro à frente, que é cheio de retrovisores, de todas as alturas e tamanhos, não é o que se pode chamar de caminho tranquilo.
Se você pretende se aventurar na arte de pegar um corredor para chegar mais cedo ao seu destino, esteja pronto para assumir riscos, uma vez no corredor, você é o único responsável em evitá-los.
Por isso, sempre ande em velocidade reduzida, uma velocidade onde a frenagem é imediata e que sua moto não precisará de nenhum centímetro para parar totalmente. Fique com a mão direita e o pé direito de prontidão para uma parada de emergência e observe o comportamento dos veículos e, principalmente, dos motoristas. Tente ver se estão usando celular, se estão conversando com outra pessoa, ou se simplesmente estão distraídos. E você não precisa ter certeza de nada disso, basta suspeitar que o carro à frente está sendo conduzido por algum distraído para justificar uma buzinada, uma acelerada ou algumas piscadas com o farol apontando para o retrovisor do carro.
Vencida essa etapa, vamos falar do próximo perigo que são as ondulações no asfalto.
Numa cidade mais estruturada, onde as ruas e avenidas são construídas para suportar exatamente o tráfego que recebem, isso não se torna um problema. Agora, se sua cidade for como a minha, em que o asfalto além da baixa qualidade, não está dimensionado para o tráfego que recebe, você pode se deparar com deformações que podem te desequilibrar. Eu explico: as rodovias e pistas que recebem caminhões, ônibus e outros veículos pesados, é construída para receber o peso e a frequência desse tráfego, portanto são mais resistentes e construídas com materiais mais caros e com técnicas mais apuradas de pavimentação. Diferente das vias e ruas menores que recebem carros pequenos e pouco fluxo de veículos e por esse motivo, recebem uma pavimentação mais barata com técnicas mais simples. Isso não significa que são ruins, significa que não há necessidade de usar materiais caros para pistas sem retorno econômico ou social, ou seja, não passam caminhões de carga nem ônibus, só carros de passeio em sua maioria.
Quando essas regras não são obedecidas, ônibus e caminhões começam a deformar o asfalto e a criar trilhas no asfalto que cede ao peso desses veículos. E adivinha onde fica a ondulação mais à esquerda dessas vias mal dimensionadas? Exatamente, no corredor. É nesse momento que a prudência manda reduzir a velocidade para que você possa "lutar" mais facilmente com essas ondulações, evitando assim, ser jogado para o carro ao lado.
Algumas pessoas poderiam dizer que o corredor é um dos principais motivos para se ter uma moto. Eu diria que não faria nenhum sentido ter um moto que não pudesse vencer o trânsito e pegar um corredor para ganhar tempo. Mas é preciso tomar certos cuidados para a vantagem não se transformar num perigo para você e para os outros. Salve!

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

EM TIME QUE ESTÁ GANHANDO NÃO SE MEXE

Cara, muito cuidado na hora de fazer modificações na sua motoca. Tem um monte de acessórios legais pra colocar, o suficiente para você fazer um monte de modificações bacanas na sua moto. Só toma cuidados pra não mexer em itens que comprometem a sua segurança e a segurança das outras pessoas.
Modificar o retrovisor é a modificação que eu acho mais absurda. Tem aqueles retrovisores bem pequenos que parecem aqueles espelhinhos de dentista. Tem outros que além de serem um pedaço de espelho bem pequeno, articulam para dentro para não ficarem aparecendo (?). Outros são de vidros coloridos, na maioria azuis, e dificultam bastante a visualização durante a noite. Todos esses espelhos retrovisores recebem a designação de esportivos quando na verdade não há uma moto esportiva sequer vindo de fábrica com um desses retrovisores.
Outro aspecto importante e polêmico é a substituição de escapamentos originais por escapamentos mais ruidosos. A polêmica é que uma moto mais ruidosa torna a pilotagem mais segura ao alertar os condutores dos outros veículos da presença da motocicleta. Embora alguns modelos não respeitem o limite de ruídos, os que não exageram na gritaria e produzem um ronco bonito podem ser a diferença entre um corredor tranquilo e uma fechada que te leva ao chão. Além disso, temos os suportes articulados de placa e a substituição de lâmpadas dos faróis por modelos que podem render algumas multas.
Se você vai instalar um slider, um protetor de motor, um monoposto, uma bolha ou outra coisa para preserva sua moto, tudo bem, mas não vejo com bons olhos a instalação ou substituição de equipamentos que podem aumentar o risco de acidentes. A não ser que você tenha feito Engenharia Mecânica e saiba muito bem o que está fazendo, sugiro não alterar as características da sua moto. Salve!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

PILOTANDO NA CHUVA

Uma das coisas mais desagradáveis e broxantes da vida em duas rodas é pilotar na chuva. Tem o risco da derrapagem, os banhos que se toma, a mão deslizando na manete, os engarrafamentos, os buracos escondidos nas poças de água, um saco.
No entanto, se você tem a necessidade de pilotar na chuva, não tem outro meio de transporte, prefere correr o risco de chegar todo molhado ou ainda, prefere vestir uma capa a ter que ficar atrás de um volante, no meio de um engarrafamento colossal, aqui vão algumas dicas importantes para não beijar o asfalto molhado.
Ande sempre com espaço à sua frente para fazer uma frenagem segura, evite ficar próximo aos outros veículos, garantindo em caso de emergência, uma freada segura sem correr o risco de derrapagem, principalmente se sua moto não tem ABS.
Faça curvas com menos inclinação. Normalmente, quando fazemos uma curva, podemos "deitar" a moto e confiar de que faremos a curva com segurança. Em caso de chuva, faça uma inclinação menor e contorne a curva numa velocidade também menor. Assim, o risco de óleo misturado à água derrubar você também reduz consideravelmente.
Evite também fazer manobras de ultrapassagem muito rápidas, isso também pode fazer você derrapar numa poça de óleo e água e te levar pro chão.
Se você estiver pilotando na chuva à noite, lembre-se de como é comum os motoristas terem seus para-brisas sujos e engordurados e seus limpadores sem pressão e com a borracha ressecada e desalinhada. Mesmo que você não goste, mantenha todas as lâmpadas da sua moto funcionando, evite colocar fumê nas lanternas e esqueça de vez essa bobagem de retirar os retrovisores originais ou colocar "retrovisores esportivos". (no próximo blog eu falo desses retrovisores). Já pensou se você é colhido por um carro que vinha atrás de você e não te enxergou porque além de estar com o para-brisas imundo e todo molhado, sua moto tá parecendo aqueles búfalos na estrada de Pinheiro-MA.
Ande na boa, compre sua capa, limpe bem sua viseira, troque se já estiver muito arranhada e vai-te embora. Salve!

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

TROCANDO A TRANSMISSÃO

Na postagem de hoje, vou falar de um assunto bastante importante, a troca da transmissão. A maioria de nós é bastante preocupada com a lubrificação da transmissão das nossas motocas para aumentar a vida útil do conjunto pinhão, corrente e coroa.
Andar com a moto sem lubrificação, fazer trocas forçadas de marcha, passar a marcha "no tempo" pode reduzir significativamente a vida útil da transmissão da sua moto, sendo necessária a troca do conjunto que, dependendo da sua moto, pode sair por um preço mais salgado que você gostaria.
Para você saber se sua corrente está precisando ser trocada, verifique a folga existente entre a corrente e a coroa com a moto no neutro. Se você tentar mexer a corrente e sentir a folga na mão, já está na hora de trocar o conjunto. Outro sinal bastante característico é a folga existente nos roletes da corrente. Se apresentarem folga, significa que sua corrente já trabalhou muito ou trabalhou em condições de pouca lubrificação. Além disso, o afundamento dos dentes da coroa e do pinhão são sinais evidentes de que está na hora de gastar aquela grana na substituição da "relação" da sua motoca.
Esteja atento às peças oferecidas por oficinas não autorizadas, peças ditas genéricas, podem ter uma durabilidade menor e acabar saindo mais caro que a peça original. Tente verificar a marca da coroa, do pinhão e da corrente para substituir por outra da mesma marca, esteja atento também às especificações para adquirir o conjunto indicado para a sua motoca.
Caso a grana esteja curta e você opte por fazer a troca de uma peça de cada vez, deixe a corrente para ser substituída por último. Você vai observar que a corrente usada vai ficar ruidosa trabalhando com pinhão e/ou coroa novos mas vai ser possível andar durante um curto período de tempo. Evite saídas fortes e trocas de marcha abruptas enquanto todo o conjunto não é trocado. Ande devagar e evite marchas altas em baixa velocidade para não chacoalhar muito a transmissão. Durante esse tempo, seja ainda mais cuidadoso com folga e lubrificação da corrente e assim que for possível, troque o que estiver faltando para não comprometer peças ainda mais importantes da sua moto. Salve!